Últimas

13 de maio de 2016

São Paulo recebe maior retrospectiva de Picasso desde 2004


Se você estava com saudades do trabalho do pintor espanhol esta é uma boa notícia. A maior retrospectiva sobre o trabalho de Pablo Picasso já realizada no Brasil em 12 anos está recheada de obras inéditas entre quadros, esculturas, desenhos, gravuras, peças de cerâmica e fotografias, além de clássicos como a tela "O Beijo", acima, que já esteve exposta em São Paulo. Reserve na sua agenda o período entre a penúltima semana de maio à primeira quinzena de agosto para não perdê-la. 

"Joueurs de Ballon sur la Plage" (1928)

Pablo Ruiz Picasso (Málaga, Espanha 1881 — Mougins, França 1973) é considerado um dos mais influentes artistas do século XX. Co-fundador do cubismo, é também inventor da escultura construída e da colagem e conhecido por inovar constantemente sua obra, durante toda a vida artística.

A mostra traz 116 trabalhos do artista espanhol, pertencentes ao acervo do Musée National Picasso-Paris, compostos por 34 pinturas, 42 desenhos, 20 esculturas e 20 gravuras. Há ainda uma série de 12 fotos de Dora Maar, que testemunham a produção de "Guernica", três de Pierre Manciet e uma série de 22 fotogramas de André Villers, feitos em parceria com Picasso.


"Portrait d'Homme" (1903) e "Projeto para um Cartaz de Carnaval" (1899)

A única vez que o Brasil recebeu uma grande exposição de Picasso foi em 2004, na Oca, Parque Ibirapuera, em São Paulo. Por isso, o público terá a oportunidade de ver um panorama quase inédito de sua obra, já que quase 90% das peças nunca foram exibidas antes no país.


A mostra


Com 10 seções temáticas, irá propor uma viagem cronológica pela carreira do pintor, começando por "O primeiro Picasso. Formação e influências", por volta de 1900, passando para "Picasso exorcista. As senhoritas de Avignon", que mostra o processo da geometrização das formas. Em "Picasso cubista. O violão", o público irá ver a relação do pintor com a música.


"Grande Banhista com Livro (1937) e "A Grande Coruja" (1948)

Há ainda seções como "Picasso clássico. A máscara da antiguidade", sobre teatro e dança, "Picasso na resistência. Interiores e vanitas", com seu processo de trabalho durante a guerra, e "Picasso engajado. Guernica", com estudos feitos para a concepção da obra, uma das mais famosas, valiosas e emblemáticas de sua carreira, com fotos incluindo a célebre apresentação da tela no Brasil durante a 2ª Bienal Internacional de São Paulo de 1953.

Filmes sobre a obra de Picasso integram a exposição, como "Guernica" (1949), de Alain Resnais e Robert Hessens, que conta sobre os desastres da guerra. "Le Mystère Picasso" (1956), dirigido por Henri-Georges Clouzot, mostra a vitalidade de seu processo criativo.


Mão erudita, olho selvagem


Picasso foi mestre no drama: da dor lancinante de "Guernica" ao arrebatamento amoroso de "O Beijo", as obras que o celebrizaram transpiram páthos, o sentimento de piedade ou tristeza.

Ao assinar aquarelas em que esboça figurinos e cenários para um balé; ao criar uma máscara com dois furos e dois rasgos feitos com os dedos sobre um papel; ao conceber fotos em que sobrepõe recortes ordinários de figuras humanas e animais a texturas de renda e folhas, Picasso se mostra também um ás do minimalismo.

Os estudos para "Pulcinella" (1920), produção dos célebres balés russos, mostram a atração que Picasso tinha por disfarces e fantasias, traço saliente em outras obras que estarão na mostra paulistana, como "Projeto para um Cartaz de Carnaval" e "Paul como Arlequim" (em que retrata um de seus filhos).


"Pulcinella" (1920) e "Paul como Alerquim" (1924)

A retrospectiva terá, além de algumas novidades para o público brasileiro, obras e motivos bem conhecidos do cânone do espanhol. Ao lado de "O Beijo", que já visitara São Paulo na megaexposição de 2004, estarão telas como "La Danse Villageoise" (dança campestre) e "Deux Femmes Courant sur la Plage (La Course)" (duas mulheres correndo na praia ""a corrida), por exemplo.

De outra parte, violões servem de fio condutor ao segmento dedicado ao cubismo e banhistas exibem sua volúpia na ala que trata da fase surrealista do malaguenho; o flerte já pronunciado com a geometrização das formas em "Les Demoiselles d'Avignon" (serão expostos estudos, não o quadro em si, que pertence ao MoMA, de Nova York); a curiosidade estética em relação a meios menos nobres, como fotografia e cerâmica; e a produção crepuscular de Picasso, firmemente ancorada no erotismo.


"L'Orateur" (1933-1934) e "Violão" (1924)


De acordo com o jornal Folha de S. Paulo, a retrospectiva seguirá para o Paço Imperial, no Rio de Janeiro, onde será aberta em setembro de 2016, porém vale a pena confirmar a data e local.



Exposição: Picasso: Mão Erudita, Olho Selvagem
Curadoria: Emilia Philippot do Musée National Picasso-Paris
Quando: 22 de maio a 14 de agosto de 2016. 
Horários: terça-feira a domingo das 11h00 às 20h00. Última entrada às 19h00.
Onde: Instituto Tomie Ohtake
Avenida Faria Lima, 201 (entrada pela Rua Coropés, 88), Pinheiros - São Paulo-SP. 
Metrô mais próximo: Estação Faria Lima (Linha 4-Amarela)
Quanto: R$ 12 (inteira) e R$ 6 (meia-entrada).
Crianças até 10 anos, cadeirantes e deficientes físicos têm entrada gratuita todos os dias da exposição. Às terças-feiras, a entrada é gratuita mediante retirada de senhas na bilheteria do Instituto Tomie Ohtake
Os ingressos podem ser adquiridos online pelo site Ingresse
Informações: (11) 2245-1900 ou pelo site 


Fontes: com informações do Instituto Tomie Ohtake, UOL, Folha de S. Paulo e Catraca Livre
Imagens: reprodução /divulgação

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...