Últimas

14 de outubro de 2015

Conheça os efeitos no organismo ao deixar de ingerir açúcar e álcool


Você conseguiria abrir mão de ingerir comidas e bebidas à base de açúcar e álcool por um mês? Acha que isso traria algum benefício à sua saúde? Saiba que um holandês abriu mão para um documentário, visto por mais de 4 milhões de vezes no YouTube, e os resultados, apesar de não terem base científica, provaram que a nossa alimentação moderna e industrializada está prejudicando em muito a nossa saúde.

Sacha Harland, 22 anos, resolveu encarar o desafio de passar um mês sem consumir produtos que tenham adição de açúcares e álcool, além de abolir os famosos junk food (hambúrgueres, batatas fritas, refrigerantes e vários outros alimentos ricos em calorias vazias que abarrotam as praças de alimentação dos shopping centers brasileiros). 

Sua experiência é contada na primeira parte do Guy gives up added sugar and alcohol for 1 month ("Um cara abre mão de açúcar e álcool por 1 mês", na tradução livre para português), um documentário da produtora holandesa LifeHunters.

"Já que é cada vez mais difícil comer alimentos saudáveis, queríamos saber como se sente uma pessoa que renuncia ao açúcar, ao álcool e aditivos alimentares por um mês e como isso afeta seu corpo e sua condição física", diz Erik Hensel, diretor da LifeHunters, à BBC Mundo.

Sintomas de Abstinência


Em sua primeira semana, Harland ingeriu dieta à base de sucos naturais, frutas, verduras e outros alimentos não processados e sentiu fome o tempo inteiro. Além disso, ele sentiu falta energia, cansaço, mau humor e até uma espécie de crise de abstinência. 

O maior desafio, segundo Harland, foi encontrar alternativas saudáveis ou, pelo menos, alimentos que não levavam açúcar. Mesmo produtos que não são considerados doces, como batatas fritas, molho de tomate industrializado e sopas enlatadas têm sacarose.

"O mais difícil foi a primeira semana e meia. Tinha que saber o que podia ou não comer e foi complicado. Mas depois fui me acostumando (a ler as etiquetas dos produtos)", diz Harland.

Vale lembrar que, além de viciar, o açúcar aumenta os processos inflamatórios levando ao envelhecimento precoce tanto do organismo quanto da pele (falamos sobre isso aqui), além de ser prejudicial para quem sofre com cravos e espinhas (veja mais aqui). Já o álcool em excesso sobrecarrega o fígado para metabolizá-lo podendo intoxicá-lo, além de prejudicar a qualidade do sono e viciar (também falamos sobre isso aqui).




Resultados


Após 25 dias com a dieta especial, ele começou a sentir os benefícios da nova rotina. Afirmou que consegue se levantar da cama com mais facilidade e que sente mais energia. Exames mostraram que Harland perdeu 4 kg, teve uma redução de 8% em seu colesterol e sua pressão sanguínea baixou desde que iniciou o processo. 

De sua parte, o protagonista do documentário garante que seguirá a recomendação médica, mas sem "ficar obcecado".

"Foi uma surpresa agradável, que não pensava que sentiria tão diferente fisicamente. Decidi buscar equilíbrio entre os açúcares e os alimentos saudáveis, já que optar por um ou pelo outro pode ter deixar realmente infeliz. Essa foi minha conclusão do experimento."

Funcionaria para você?


Mas a pergunta que você deve estar se fazendo é: qualquer homem que fizer o mesmo terá benefícios similares? Vale lembrar que o cara é jovem, magro e vive em um país desenvolvido. Veja o que o presidente do Colégio de Nutricionistas do Chile, Damuel Durán, disse a respeito:

"Depende da quantidade de açúcar e álcool que a pessoa costumava consumir antes de se submeter à dieta. Seria estranho se alguém que segue uma dieta saudável passasse por essas mudanças."

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a quantidade normal diária de açúcar em uma "dieta saudável ótima" é equivalente a 5% do total de calorias ingeridas - índice que não deve ultrapassar 10%.

A recomendação da OMS para uma pessoa adulta é de um consumo de 2 mil calorias por dia. Então, o "normal" de açúcar seria consumir 25 gramas, ou 6 colheres de chá, e no máximo 50g por dia. Acima disso, os mecanismos que permitem ao corpo armazenar e queimar açúcares simples pode ficar desregulado. Durán acrescenta:

"Consumir mais de 20% das calorias diárias em açúcar pode provocar enjoo, tremedeira, transpiração e uma ligeira dor de cabeça. Mas, para isso, a pessoa teria de passar o dia, por exemplo, tomando açúcar com muitas colheradas de açúcar ou sucos engarrafados. O mais provável é que uma pessoa não tenha as mesmas sensações (do jovem do documentário)"

Lembre-se que refrigerantes têm mais açúcar à maioria dos sucos industrializados. Por isso, vale a pena ler o rótulo das embalagens para saber qual a quantidade de açúcar /sacarose há na bebida.




Sem Rigor e Credibilidade


Eduard Baladía, coordenador da revista Evidência Científica e membro da Fundação Espanhola de Dietistas-Nutricionistas, é mais taxativo e afirma que, como investigação, não tem nenhum rigor e, portanto, nenhuma credibilidade.

"O filme não tem nenhuma validade científica. A amostra é muito pequena: de uma só pessoa. Além disso, não é um estudo controlado, porque não leva em conta outros fatores (além da mudança de dieta) ou mudanças que o jovem possa ter feito consciente ou inconscientemente, como, por exemplo, fazer mais exercícios"

Mas Baladía esclarece ser um consenso entre especialistas ser preciso limitar o consumo de açúcar agregado aos alimentos a menos de 10% da ingestão calórica diária e insiste que esta recomendação se baseia em estudos científicos rigorosos em que foram observadas milhares de pessoas.

E você, o que acha? Ficou curioso? Então assista ao vídeo a seguir, legendado em inglês, feito por Sacha Harland e tire suas conclusões.




Com informações da BBC Brasil
Imagens: reprodução Life Hunters

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...