Últimas

1 de setembro de 2015

Gravatas: saiba quando e como usar


Uns a odeiam, outros não se importam e há aqueles que se sentem mais confiantes quando a usam. Já elas adoram porque garante elegância, charme e certo poder em que as usa, além de muitas acharem extremamente sexy.

Porém, vivemos uma relação ambígua com a gravata: como pode o item considerado mais másculo do nosso guarda-roupa ser rejeitado por grande parte dos homens brasileiros?

Tal rejeição pode ser explicada pela cultura e pelo calor que faz em nosso país, que chega a beirar os 40º no verão em grande parte dos principais centros urbanos, limitando seu uso às determinadas profissões, altos cargos, empresas e mercados mais conservadores. Há ainda aqueles que a associam a políticos, religiosos ou apenas para uso estritamente em eventos formais.




Personalidade e Elegância


Mas não precisa ser assim. Usar gravata não é simplesmente pegar uma qualquer na gaveta ou mesmo emprestada e colocá-la em qualquer camisa, requerendo uma que tenha pelo menos um bom colarinho. Da mesma forma, ela "fecha" com jaquetas, cardigãs, ternos e costumes que, igualmente, precisam estar em harmonia.

Independente do tipo, do material, da textura ou da largura, é fato que o homem que usa gravata automaticamente está acrescentando personalidade, elegância e seriedade à sua vestimenta. 


Tipos e Larguras


Para te ajudar ou apenas te relembrar, +40BC listou os tipos de gravatas existentes no mercado e a ocasião em que devem ser usadas. 




Gravata Standard ou Clássica: a primeira que vem à nossa mente quando se pensa em usar uma. É o modelo mais tradicional e preferido dos homens, tanto que é usada desde executivos e políticos a cantores, apresentadores e religiosos. Também é um modelo democrático porque pode ser usado por homens de quaisquer idade, biotipo ou largura do pescoço. São confeccionadas em seda, tecida ou impressa, e até em tecidos sintéticos, tem a sua largura variando entre 6,5 a 9,5 cm e frequentam quase todos os eventos sociais, que exijam passeio completo ou esporte-fino, e todos os eventos corporativos formais.




Há quem a divida em duas sub-categorias, uma com largura entre 6,5 e 8 cm, conferindo um ar mais moderno e exigindo ao homem que a usa estar em forma, como Rodrigo Lombardi (primeira foto), ou mesmo para aqueles com porte físico musculoso e com pescoço largo; e outra em que a largura varia de 8 a 9,5 cm, que confere um ar mais clássico e tradicional, como Luciano Szafir (segunda imagem), e é ideal para homens que não gostam de arriscar quando o assunto é terno, para os gordinhos ou que apresentam barriga saliente.




Gravata Skinny ou Slim: a queridinha de astros e esportistas como David Beckham (foto acima), dos homens mais jovens e principalmente daqueles que estão antenados com a moda é também a que mais requer cuidado ao usar. Por transmitir um ar muito jovial, despojado, modernoso e até fashion, não é bem vista em todos os eventos sociais e corporativos, principalmente os de ambiente formal, ficando mais restrito seu uso em festas e eventos mais informais e descolados.

É indicada apenas para homens magros ou sarados - os fortões e gordinhos, esqueçam -, com pescoço fino e que se sintam bem em usar camisas, calças e ternos slim, de modelagem mais justa ao corpo. Contudo, não exige uso de paletó, costume ou terno e cai muito bem sob coletes, cardigãs, jaquetas ou apenas com uma boa camisa de colarinho e calça jeans.  




Gravata Borboleta e Black Tie: item obrigatório quando o assunto é elegância, glamour e eventos de alto nível, tanto que seu termo em inglês, Black Tie (Gravata Preta em português), é sinônimo de festas exclusivas da alta sociedade. É item obrigatório em trajes sociais masculinos, de gala ou a rigor, como smoking e summer, sendo a cor preta a mais indicada e tradicional, como a usada pelo ator Stephen Dorff num smoking da grife Gucci (foto acima), mas podendo também vir nas cores branca (no mesmo tom da camisa), vermelha, cinza claro ou azul turquesa. 




Fora os eventos de gala e trajes a rigor, a gravata borboleta é pouco usual no Brasil, se limitando a homens de estilo intelectual, artistas e mais recentemente aos hipsters, como nos exemplos acima.




Gravata Ascot, Plastron ou Plastrão: outro item de elegância que já frequentou muito as festas do grand monde e que atualmente é mais conhecida no Brasil como "a gravata do noivo". Assim como a Black Tie, é item obrigatório em trajes sociais masculinos, de gala ou a rigor, como casaca, fraque e meio fraque e exige camisas com colarinho postiço tradicional. É confeccionada em cetim ou seda nas cores cinza claro (com ou sem brilho), creme ou dourado, amarrada como um lenço e leva um alfinete com uma pérola, pedra ou vidrilho sobre o seu laço. Deve, ainda, acompanhar lenço na mesma cor e confeccionado com mesmo tecido.




Gravata Foulard: mais para um lenço a uma gravata propriamente dita, o Foulard é pouco usado no Brasil, mas muito nos países do hemisfério norte. Pertencente ao vestuário casual masculino, principalmente no de homens clássicos e maduros, é encontrado em diferentes formas, tamanhos e volumes, sendo o tradicional mais estreito na parte do pescoço e mais largo nas abas. 

Geralmente, é usado ao contrário das demais gravatas, amarrado no pescoço e colocado para dentro do colarinho, como a do ator Joshua Jackson (à esquerda). Porém, há homens que o usam como uma espécie de mini-cachecol deixando suas abas para fora e caindo por sobre da camisa, como Jude Law (à direita). Por isto, exige que o colarinho e camisa estejam abertos na altura do pescoço.

O Foulard pode ser usado em qualquer ocasião que não requeira algo demasiadamente formal e cai bem com terno, paletó, cardigã de corte estreito e jaqueta esportiva. Aposta certa na sua próxima viagem à Europa. 

Imagens: Reprodução

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...